As Imagens Falam por Si

“AS IMAGENS NÃO FALAM POR SI”
  
            Foram estas as palavras ditas pelo ex-presidente Lula sobre os vídeos divulgados do chamado “mensalão do DEM” (em 2010), no Distrito Federal, cenas explícitas de corrupção, fatos que voltam à mídia, face aos recentes escândalos cachoeirísticos. Talvez alguém se levante para declarar: as conversas gravadas não falam por si.
            O texto de Provérbios 4:24-25 exorta: “Desvia de ti a falsidade da boca e afasta de ti a perversidade dos lábios. Os teus olhos olhem direito, e as tuas pálpebras, diretamente diante de ti”.
            Jesus Cristo, no Sermão do Monte, declara: “São os olhos a lâmpada do corpo. Se os teus olhos forem bons, todo o teu corpo será luminoso; se, porém, os teus olhos forem maus, todo o teu corpo estará em trevas. Portanto, caso a luz que em ti há sejam trevas, que grandes trevas serão! – Mateus 6:22-23.
            O que vemos e como vemos, ou seja, como queremos ver, afeta nossa vida, nossos valores, pensamentos, mas, o contrário também é verdadeiro: vemos aquilo que queremos ver, do jeito que queremos ver, a partir de nossos pensamentos e valores.
            Como diz Francis Schaeffer: “Existe um fluxo para a História e para a cultura. E o modo de pensar das pessoas é o fundamento e a fonte deste fluxo (…) O que elas são em seu mundo de pensamentos determina como elas agem”.
            Quando os apóstolos Pedro e João foram presos, após a cura do coxo na porta do templo e do testemunho que deram perante todo o povo a respeito de Jesus Cristo, tendo sido proibidos de falar e ensinar em o nome de Jesus, responderam às autoridades: “Julgai se é justo diante de Deus ouvir-vos antes a vós outros do que a Deus, pois nós não podemos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos” (grifo meu) – Atos 4:19-20. As imagens produzidas por Jesus à vista deles falavam por si mesmas e eram a corroboração da missão do Nazareno.
            Também o apóstolo Paulo, preso por causa de sua fé em Jesus Cristo, ao apresentar sua defesa ao comandante que ordenara seu recolhimento à fortaleza-prisão, cita palavras de Ananias a ele dirigidas quando de sua “queda do cavalo”, da sua conversão: “porque terás de ser sua testemunha diante de todos os homens, das coisas que tens visto e ouvido” – Atos 22:15. E assim o fez!
            Quando os discípulos de João Batista foram a Jesus perguntar-lhe se era ele o Messias ou não 9Lucas 7:18-23), Jesus lhes respondeu: “Ide e anunciai a João o que vistes e ouvistes: os cegos vêem, os coxos andam, os leprosos são purificados, os surdos ouvem, os mortos são ressuscitados, e aos pobres, anuncia-se-lhes o evangelho”. Imagens que falavam por si mesmas!
            “Ai dos que ao mal chamam bem e ao bem, mal. Que fazem da escuridade luz e da luz, escuridade; põem o amargo por doce e o doce, por amargo! – vide Isaías 5:20.
            O fluxo da História continua e nós participamos dela, de uma forma ou de outra; falando ou deixando de falar das coisas que vemos e ouvimos, escolhendo fazer o bem ou o mal; atendendo aos interesses de Deus ou aos nossos interesses; glorificando a Deus ou a nós mesmos.
            Que Deus nos ajude a “procedermos honestamente, não só perante o Senhor, como também diante dos homens” – II Coríntios 8:21,
            O que for visto em nós, que fale por si mesmo!
 
Em Cristo Jesus, o Mestre. Nosso Salvador e Senhor Eterno.
 
Com carinho pastoral.
 
Rev. Claudio Aragão da Guia.
Publicação autorizada pelo Presbítero Romeu Maluhy Junior, epíscopo e pastor